O Preço do Seguro

30 Abr, 2019

Para todos os tipos de seguros a formação do preço depende de duas variáveis. A frequência dos acidentes e a severidade dos prejuízos ocorridos. A frequência refere-se ao número de ocorrências ou acidentes dentro do universo segurado e é medida ao longo de um período, normalmente um ano. Podemos medir e dizer, por exemplo, que ao longo de um ano, 10 em cada 100 veículos sofre um acidente.

 

Por outro lado, temos que ver também qual foi a severidade destes acidentes. Um dos veículos pode ter tido perda total e sua reposição custará R$ 50 mil. Outro teve danos apenas no para choque e os reparos custará R$ 2.000,00, de tal forma que os 10 acidentes podem representar um prejuízo total de R$ 100.000,00 e, portanto uma média de gastos de R$ 10.000,00 em cada um dos acidentes.

Esta lógica explica uma pergunta muito comum. Geralmente, o preço do seguro de automóvel para as mulheres é mais barato que para os homens. Por que? E por que isso se normalmente achamos que as motoristas colidem mais que os motoristas?

As medições das seguradoras, ou seja, suas estatísticas confirmam que as mulheres realmente colidem um pouco mais que os homens, ou seja, que a frequência de acidentes com elas é um pouco maior que a frequência de acidentes com eles.

Ocorrem que, normalmente, as colisões provocadas pelas mulheres são mais leves, ou seja causam menos prejuízos. As colisões causadas pelos homens costumam ser mais fortes, significando mais prejuízos. Infelizmente, quando estes homens são jovens e solteiros, com idade de 18 a 25 anos, suas colisões são ainda mais severas.

Assim, combinando as duas coisas, frequência e severidade dos acidentes, as mulheres causam menos prejuízos e, portanto, são merecedoras de pagar menos pelo seguro dos seus veículos. Os homens pagam mais do que elas porque, apesar de colidirem menos, causam prejuízos que, na média, são muito maiores. E enquanto a maioria dos jovens causar prejuízos muito severos quando envolvidos em acidentes, seu grupo de riscos, ou seja, todos os rapazes de 18 a 25 anos permanecerão pagando caro pelos seus seguros de automóveis.